O que é veganismo? Por que ser vegano?

Veganismo é mais que uma dieta, é também um modo de viver. Um estilo de vida no qual as pessoas não consomem nada que esteja relacionado ao sofrimento animal. É o ato constante de se manter informado sobre a alimentação e sobre produtos de todos os tipos, buscando aqueles que sejam livres da exploração animal. Nada é consumido sem prévia pesquisa. Da comida, passando por vestuário, medicamentos, produtos de higiene pessoal, até produtos de limpeza, móveis e decoração para a casa, a informação sobre seus ingredientes e modos de fabricação é fundamental para que haja uma maior consciência sobre o que utilizamos em nossas vidas.

Ser vegano consiste em ter todos esses cuidados, mas com o entendimento de que, de alguma forma, por mais que tenhamos atenção, sempre muitos seres estarão morrendo para que possamos sobreviver. Bactérias, insetos, pequenos vertebrados e até mesmo outros animais de maior porte morrem direta ou indiretamente pelo simples fato de estarmos vivos. Morrem quando construímos casas, quando caminhamos nas ruas, quando utilizamos algum meio de transporte, quando plantamos e colhemos nosso alimento, quando limpamos nossa moradia etc. Acreditamos que isso seja mais um motivo para cuidarmos o que consumimos, já que é o mínimo que podemos fazer a esse respeito.

Pessoas também se tornam vegetarianas estritas por questões de saúde. Inúmeros são os casos relatados em periódicos científicos demonstrando que a dieta vegana não apenas previne muitas doenças graves como ainda as cura. De acordo com o Dr. Navarro em seu livro Vegetarianismo e Ciência, nas últimas décadas há um aumento de evidências científicas, através de estudos epidemiológicos, experimentais e clínicos, que demonstram o efeito benéfico de uma dieta vegetariana sobre as doenças cardiovasculares, em comparação a uma dieta onívora. Efeitos protetores da dieta foram relatados em diabéticos, obesos e em alguns tipos de câncer, entre outras doenças.

Tem os que se tornam veganos para defender a causa animal. Não parece uma atitude saudável permitir que tantos animais sejam tão explorados, degradados e torturados apenas para que tenhamos o prazer de comer sua carne e seus derivados. Boa parte das pessoas parece não suportar viver seu dia a dia sabendo que poderia não fazer parte desse sofrimento todo, seja por compaixão, seja por ter um mínimo de empatia. Alguns podem alegar a necessidade de animais para testes científicos. Embora algumas ainda não sejam comercialmente viáveis, já temos alternativas para isso, como corpos humanos artificiais. Para efeitos de comparação, ao longo da história, em nome da ciência, inúmeros testes já foram feitos até mesmo em seres humanos, normalmente entre grupos socialmente excluídos, como os escravos e os judeus. Todos acreditamos que não haja necessidade pra tanto sofrimento humano, então por que haveria para tanto sofrimento de animais não humanos?

De acordo com a Ph.D. Melanie Joy, que é professora de psicologia e sociologia na Universidade de Massachusetts, em Boston, o carnismo (palavra cunhada por ela mesma no livro Por Que Amamos Cachorros, Comemos Porcos e Vestimos Vacas) deve ser tratado mais a fundo por ser uma ideologia dominante, onde o ser humano come carne de determinado animal e tem outro como um bicho de estimação por pura ideologia imposta. A pergunta que precisamos fazer não é por que não devemos comer animais, e sim por que os comemos. Segundo Joy, essa mentalidade (relacionada à ingestão de proteínas animais) já tem mudado em países como Estados Unidos, Alemanha e Reino Unido, que durante os últimos anos não só reduziram o consumo de carne, como também substituíram a ingestão de proteína animal pela vegetal.

Por último, há ainda os que se tornam veganos por uma questão ambiental. Normalmente com um mínimo de entendimento do nosso sistema econômico, percebem a inviabilidade da produção agropecuária no nosso planeta, optando por não fazer parte desse esquema. Entre outros comportamentos, também evitam ao máximo usar o sistema de crédito e procuram transportes menos poluentes e nocivos à nossa sociedade. Sobre a relação do consumo animal com o meio ambiente você pode assistir ao vídeo A Engrenagem, de apenas 16 minutos.

Seja por empatia, saúde ou entendimento econômico, social e/ou ambiental, o impacto de nossas escolhas no todo é claramente o principal motivo que leva as pessoas a se identificarem com o veganismo e tentarem ao máximo se manter nesse estilo de vida. Ser vegano é uma forma pacífica de dizermos que assim não serve mais, que não vamos matar e torturar, que não vamos desrespeitar nossa saúde e não vamos depredar conscientemente nosso planeta. Mudando atitudes, dando exemplo e produzindo novos conhecimentos, modificamos o mundo ao nosso redor para que aos poucos se torne um lugar mais são para todos os seres vivos. 🙂